quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Petrobras reduz preços da gasolina em 3,8% a partir de sexta; diesel também cai - Notícias - UOL Economia

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras reduzirá os preços do diesel em 1,3 por cento e os da gasolina em 3,8 por cento nas refinarias a partir de sexta-feira, informou a estatal nesta quinta-feira em comunicado no seu website. Os reaj... - Veja mais em https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2017/11/16/petrobras-reduz-precos-da-gasolina-em-38-a-partir-de-sexta-diesel-tambem-cai.htm?cmpid=copiaecola







Petrobras reduz preços da gasolina em 3,8% a partir de sexta; diesel também cai - Notícias - UOL Economia
Share:

Trabalhador intermitente pode ficar sem alguns benefícios - A Tarde

Medida provisória afeta trabalhadores que não teriam direito à aposentadoria - Foto: Camila Domingues | Palácio Piratini | Fotos Públicas

Trabalhadores contratados sob o novo regime intermitente criado pela reforma trabalhista que tiverem remuneração inferior ao salário mínimo poderão ficar sem direito à aposentadoria e benefícios da Previdência. O problema é reconhecido pelo governo e, para tentar contornar a situação, a Medida Provisória 808 cria a possibilidade de recolhimento previdenciário adicional a ser pago pelo próprio trabalhador. Sindicatos prometem pressão para que o Congresso mude a regra.
A MP 808, editada na terça-feira, 14, detalhou o funcionamento da Previdência para os trabalhadores intermitentes. Esse tipo de contrato não prevê carga horária mínima e o empregado atua apenas quando é convocado. Segundo especialistas, a modalidade deve ser usada em categorias com demanda irregular por mão de obra na semana, como garçons. Pela lei, esses empregados devem receber pela hora ou dia pelo menos o valor proporcional ao salário mínimo: R$ 4,26 pela hora ou R$ 31,23 pelo dia de trabalho.
Por essas características, é possível que um empregado com carteira assinada na modalidade intermitente termine o mês com renda inferior ao salário mínimo. Como o valor do contracheque é base de cálculo para os encargos sociais, o empregador recolherá, nesses casos, menos que a atual contribuição mínima ao INSS e ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).
A situação tem potencial de criar um limbo na seguridade social. Para contornar o risco, a MP prevê que trabalhadores que "receberem remuneração inferior ao salário mínimo poderão recolher a diferença" entre o valor do contracheque e a contribuição exigida para quem ganha o salário mínimo.
Quem não recolher o adicional por conta própria, cita a MP, "não será considerado para fins de aquisição e manutenção de qualidade de segurado do Regime Geral de Previdência Social nem para cumprimento dos períodos de carência para concessão dos benefícios previdenciários". Ou seja, não terá acesso à aposentadoria nem concessões como licença médica. "Quem receber menos de um salário mínimo dificilmente vai ter capacidade de pagar o extra. A medida parece ainda mais preocupante com a reforma da Previdência que exigirá mais tempo de contribuição", diz o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves. O presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Antonio dos Santos Neto, usa o mesmo tom. "Teremos trabalhadores com carteira assinada, mas à margem do regime previdenciário."
Diante do problema, sindicalistas preparam ações para convencer o Congresso a mudar a MP. Uma das ideias é propor contribuição adicional das empresas para completar o mínimo exigido pelo INSS. "As empresas poderiam completar esse valor previdenciário por sua função social", diz o secretário da Força Sindical.
O advogado trabalhista James Siqueira, sócio da Augusto Siqueira Advogados, avalia que esse trecho da MP esclarece responsabilidades do empregador e trabalhador sobre os custos do INSS. "Quem está no mercado informal poderá ser intermitente com segurança jurídica para contribuir com a Previdência." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Trabalhador intermitente pode ficar sem alguns benefícios
Share:

Heineken briga com distribuidores da Coca-Cola - A Tarde


 Fernando Scheller
A cervejaria holandesa Heineken deu um salto ao comprar, por R$ 2,2 bilhões, a Brasil Kirin. Pareceu um bom negócio: a empresa japonesa havia pago o triplo do preço, cinco anos antes, pelas 12 fábricas da antiga Schincariol e por marcas como Schin, Eisenbahn e Baden Baden. No entanto, a aquisição, que fez a Heineken chegar a quase 20% de mercado, trouxe também dores de cabeça relacionadas à distribuição. Ao herdar a rede da Kirin, a companhia decidiu pôr ao fim seu relacionamento de longo prazo com os distribuidores da Coca-Cola. O resultado é uma briga que se arrasta nos tribunais e que, em 2018, será alvo de um processo de arbitragem.
O contrato entre Heineken e o Sistema Coca-Cola - representado legalmente pela Associação Brasileira dos Fabricantes da Coca-Cola (ABFCC), que reúne 13 empresas - vai até 2022, mas o entendimento da cervejaria é de que é possível antecipar a rescisão. Amparado pelo que está no papel, o Sistema Coca-Cola entrou na Justiça e conseguiu, em agosto, uma liminar que mantém em suas mãos a distribuição das marcas da Heineken - o portfólio inclui ainda Kaiser, Amstel, Bavaria, Xingu e Sol. A decisão garantiu o cumprimento do contrato até que as duas partes resolvam a questão em arbitragem.
Sem consenso. Chegar a um consenso está difícil. Primeiro porque os distribuidores da Coca-Cola não estão dispostos a ceder. O Estado apurou que a holandesa propôs ao Sistema Coca-Cola manter a distribuição de duas cervejas - Bavaria e Kaiser - até 2022. A proposta não andou e, pelo menos até a formação do tribunal arbitral, a Heineken permanecerá com duas estruturas de distribuição: a herdada da Kirin, para as marcas que comprou recentemente, e a da Coca-Cola, para as que já detinha.
Segundo fontes de mercado, trata-se de uma estrutura inviável - e é por isso que a Heineken está empenhada em resolver a questão. O Estado apurou que a primeira reunião de arbitragem ocorrerá no início de 2018. Uma fonte ressalva, no entanto, que a definição dos nomes do tribunal não é garantia de resolução do problema. Por isso, fontes de mercado dizem que a Heineken já começa a aventar, de forma informal, outras alternativas. Em vez de apenas oferecer a extensão de parte do contrato de distribuição, poderia repassar marcas e fábricas para os distribuidores da Coca-Cola.
A solução do problema é premente para a cervejaria. Isso porque a rede de distribuição da Kirin também é uma potencial fonte de dores de cabeça. Tanto os ex-Kirin quando o sistema Coca-Cola querem distribuir o portfólio completo. O Estado apurou que, inicialmente, a cervejaria havia garantido aos parceiros do Sistema Coca-Cola que eles passariam a distribuir também as marcas da Kirin - a informação foi um dos argumentos do processo aberto pelas dos fabricantes da Coca.
Cerveja. No Brasil, é comum que os fabricantes de refrigerante ofereçam portfólio de cervejas. Foi por isso que um distribuidor da Coca-Cola em Minas Gerais, Luiz Octávio Possas Gonçalves, criou a Kaiser, em 1982. A Heineken é sócia da cervejaria desde os anos 1990, mas comprou o controle em 2007. Foi com o trabalho de base feito pela Kaiser que a marca Heineken começou a ganhar relevância no País.
Mesmo com a proibição da "venda casada" de bebidas, a noção dos distribuidores é de que as vendas da Coca-Cola possam ser prejudicadas caso os distribuidores não tenham marcas de cerveja para oferecer para os bares e restaurantes. Por isso, a posição do Sistema Coca-Cola é usar os cinco anos que ainda restam no contrato para ter tempo de pensar em um investimento no segmento. Fontes dizem que não está descartada a hipótese de os engarrafadores voltarem a ser cervejeiros. Procuradas, a Heineken e a AFBCC não se pronunciaram.
'Aviso prévio'. A Heineken, ao decidir cancelar o contrato de distribuição com a Coca-Cola, que iria até 2022, deu um prazo de seis meses para que os parceiros se adaptassem à mudança. No entanto, de acordo com uma fonte a par da disputa, o próprio contrato firmado há duas décadas estabeleceria um prazo bem maior caso uma das partes decidisse quebrar o acordo. Por ele, caso a Heineken ou os distribuidores quisessem cancelar o contrato, a negociação teria de ser feita em 2019. O ‘Estado’ apurou que o contrato é prorrogável por mais 20 anos, caso o aviso prévio não seja feito. A manifestação da Heineken, agora, descarta essa possibilidade de extensão, mas abriria espaço para o argumento de que o prazo dado para os distribuidores se adequarem foi curto demais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Heineken briga com distribuidores da Coca-Cola
Share:

Tang recebe multa de R$ 1 milhão por prática de propaganda enganosa - A Tarde



A fabricante de refresco em pó Tang, da Mondelez, foi condenada a pagar uma multa de R$ 1 milhão no prazo de 30 dias, por publicidade enganosa. A multa foi emitida pela Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon/MJ).
Na avaliação do órgão, a fabricante Mondelez Brasil, nova denominação da Kraft Foods do Brasil, cometeu "práticas em desacordo com os princípios da transparência e da boa-fé previstos no Código de Defesa do Consumidor (CDC)", conforme decisão assinada pelo secretário Nacional do Consumidor, Arthur Rollo.
A companhia informou, por meio de nota, que não vai comentar processos em andamento e reafirmou seu "compromisso com o desenvolvimento do mercado brasileiro, sempre com práticas e ações em acordo com as leis e normas elaboradas por órgãos reguladores".
"Sobre a publicidade, a empresa respeita integralmente as normas do Conar e a legislação nacional em vigor. Mantemos nosso compromisso e relação de transparência com todos os consumidores", acrescentou a empresa, em nota.
Detalhes
A empresa também utilizou no rótulo do produto expressões proibidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A punição é definitiva e encerra processo administrativo instaurado pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC).
A conclusão e deliberações do processo foram publicadas na edição desta segunda-feira, 13, do Diário Oficial da União (DOU).
Para o secretário, a empresa enganou os consumidores, na medida em que inseriu nas embalagens a expressão "sem corantes artificiais", sem informar a presença de outros corantes, como inorgânico e caramelo, na composição de seu produto.
"Essa informação induz o consumidor a acreditar tratar-se de produto natural e mais saudável", observou. "A complementação da informação, de que compunham a fórmula outros corantes, era essencial ao exercício da liberdade de escolha e à plena informação dos consumidores."
O secretário esclarece que o correto seria o fornecedor divulgar a informação completa em relação aos corantes e não apenas o que lhe interessava. "Nisso se traduz a má-fé objetiva e a ofensa ao direito de informação e à liberdade de escolha dos consumidores", justificou.




Tang recebe multa de R$ 1 milhão por prática de propaganda enganosa
Share:

terça-feira, 14 de novembro de 2017

José Dirceu foi filmado dançando em sua prisão domiciliar? | E-farsas.com – Desvendando farsas da web desde 2002!

É verdade que o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, foi flagrado dançando em uma festa na sua casa mesmo em prisão domiciliar?
As imagens começaram a circular pelas redes sociais no dia 12 de novembro de 2017 e rapidamente se espalhou através de grupos no WhatsApp. No vídeo de menos de um minuto de duração podemos ver um senhor muito parecido com o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, dançando alegremente com uma mulher no que parece ser uma festa!
O detalhe é que o político foi condenado no processo do Mensalão e está cumprindo prisão domiciliar (com o uso de tornozeleira eletrônica)…
Será que o vídeo é mesmo de um flagrante do ex-ministro da Casa Civil?
José Dirceu dançando em sua prisão domiciliar! Será verdade? (foto: Reprodução/YouTube)

Verdade ou farsa?

O vídeo é real! O homem flagrado dançando descontraidamente é o ex-ministro José Dirceu, condenado em maio de 2017 em prisão domiciliar pelo processo do Mensalão!
A festa aconteceu em Brasília no dia 11 de novembro de 2017, na casa do “prisioneiro”, que dançou ao lado da mulher e junto com amigos.
Em entrevista ao jornal Estadão, o advogado do ex-ministro Roberto Podval explicou que José Dirceu estava no aniversário da mulher e que não há nenhuma lei que o proíba de comemorar.

Dirceu aguarda em liberdade uma decisão da segunda instância (do Tribunal Regional Federal da 4ª Região), que pode manter a condenação ou absolvê-lo. Enquanto a decisão não sai, o ex-ministro é obrigado usar tornozeleira eletrônica e está proibido de sair de Brasília, mas pode participar de festas (como essa filmada por um dos convidados).

Conclusão

O vídeo é real e o homem que aparece dançando nele é o ex-ministro José Dirceu, que cumpre prisão domiciliar!


José Dirceu foi filmado dançando em sua prisão domiciliar? | E-farsas.com – Desvendando farsas da web desde 2002!
Share:

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Estranha criatura encontrada: Híbrido de humano e felino? | E-farsas.com – Desvendando farsas da web desde 2002!

Foto mostra um estranho animal que seria o resultado do cruzamento entre um humano e um animal! Será que isso é verdade ou mentira?
A fotografia apareceu nas redes sociais no final da primeira quinzena de outubro de 2017 e mostra uma pequena e diferente criatura em um gramado. O pequeno animal, com feições humanas, longas e afiadas garras e quadrúpede seria o resultado do cruzamento entre um humano e um felino!
Algumas publicações feitas no Facebook sobre essa imagem sugerem que isso seria um prenúncio do fim dos tempos, mas será que essa história é verdadeira ou falsa?

Animal seria o resultado do cruzamento entre um humano e um felino! Será verdade? (foto: Reprodução/Facebook)

Verdade ou farsa?

As publicações indignadas no Facebook sobre essa foto não dão maiores detalhes de quando e onde essa “aberração” teria nascido. Mas uma busca na web e podemos identificar que tudo começou em postagens feitas antes na Indonésia. De acordo com as publicações iniciais, o bicho seria o resultado do “namoro” entre uma mulher e um leão e que isso seria o fim dos tempos:

“Esse bebê é o resultado de um relacionamento humano com uma leoa… O mundo está acabando…. Digite amén e compartilhe”, diz o texto em indonésio (reprodução/Facebook)

A imagem chegou aqui no Brasil alguns dias depois, se espalhando rapidamente na segunda semana de outubro de 2017 e ganhou centenas de milhares de comentários do tipo:
Mas a verdade é que a estranha e “demoníaca” criatura não é o cruzamento de um humano com um leão (ou com qualquer outro animal). Trata-se de um boneco feito por uma artista italiana chamada Laira Maganuco. No vídeo publicado em sua fanpage, Laira mostra essa, que é uma de suas muitas criações.
Laira explica que o bichinho é um “filhote de lobisomem”, que ele é feito de silicone e que pode ser comprado nesse site especializado em criaturas de brinquedo!

Conclusão

Guardem os seus “améns” e “tá amarrado’s” para outras coisas mais importantes, pois essa criatura que estaria anunciando o fim dos tempos é falsa! O bicho nada mais é do que uma obra feita pela artista italiana Laira Maganuco!


Estranha criatura encontrada: Híbrido de humano e felino? | E-farsas.com – Desvendando farsas da web desde 2002!
Share:

Copyright © Agro Mecanica Tatuí | Powered by Blogger
Design by SimpleWpThemes | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com