Mostrando postagens com marcador Alcool. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Alcool. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Bem Estar - Cientista britânico diz ter inventado 'álcool que não dá ressaca e nem lesiona fígado'

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

 Estudos sugerem que ficar um mês sem álcool já pode trazer benefícios para a saúde do fígado  (Foto: CDC/Debora Cartagena)
Cientista britânico afirma ter descoberto um novo tipo de álcool sintético que poderá permitir bebedeiras sem ressacas.
A nova substância, batizada de alcosynth, é resultado do trabalho do químico David Nutt, do Imperial College de Londres, e, ironicamente, ex-consultor do governo do governo britânico para assuntos ligados a drogas.
Segundo Nutt, o alcosynth simula os efeitos positivos do álcool, mas não causa dor de cabeça ou náuseas, por exemplo. E tampouco agride o fígado.
O cientista diz ter patenteado 90 diferentes compostos usando a substância. Dois deles estão agora sendo testados para uso disseminado, e o acadêmico afirma acreditar que até 2050 o alcosynth terá substituído o álcool convencional.
"Você poderá ter o prazer de tomar um coquetel sem danificar seu fígado e coração. Eles (os compostos) combinam muito bem com mojitos ou com um Tom Collins", explicou Butt em entrevista à BBC, referindo-se aos drinques tradicionalmente feitos com rum e gim.
O cientista e sua equipe estudaram substâncias cujos efeitos no cérebro se assemelham aos do álcool para produzir a droga que, afirmam, é atóxica.
"A relação entre o álcool e o cérebro já é bem compreendida há 30 anos. Sabemos onde os efeitos positivos do álcool são mediados no cérebro, e podemos imitá-los. Sem tocar as áreas ruins, também não temos os efeitos ruins."
Nutt foi controverso conselheiro do governo britânico para assuntos ligados a drogas (Foto: Imperial College)Nutt foi controverso conselheiro do governo britânico para assuntos ligados a drogas (Foto: Imperial College)
Defensores do alcosynth acreditam que ele poderá revolucionar a saúde pública, mais precisamente pela redução dos gastos com o tratamento de males provocados pelo consumo de álcool.
De acordo com ONGs britânicas, o alcoolismo é a terceira maior causa de doenças no país depois do tabagismo e da obesidade.
Experimentos anteriores com o alcosynth usaram um derivado do benzodiazepan, um tipo de tranquilizante, mas as novas substâncias, segundo Nutt, não contêm o produto.
Cautela e ceticismo
Apesar do progresso, ainda será preciso esperar um bom tempo para poder pedir uma dose do álcool sem ressaca - os custos de desenvolvimento e as barreiras regulatórias são grandes.
"É uma ideia interessante e seria ótimo para que a força de trabalho não sofresse de ressaca e fosse mais eficiente, mas ainda está muito no começo para comentarmos", disse um porta-voz do Ministério da Saúde, embora a autarquia tenha se mostrado receptiva a financiar futuros estudos.
O cientista ficou famoso em 2009 ao ser demitido do cargo de consultor governamental ao declarar que consumir ecstasy era menos perigoso que andar a cavalo.
Ele ainda diz que o alcosynth tem um "limite de segurança" que impede o usuário de ficar bêbado demais.
"Acreditamos que, depois de quatro ou cinco drinques, o efeito se estabilizará e evitará que alguém se mate ou fique muito enjoado", explica Nutt.
A indústria do álcool, naturalmente, mostrou ceticismo diante do alcosynth.
Em entrevista ao jornal The Independent, o presidente da Associação de Bares do Reino Unido, Neil Williams, disse que a nova substância não é necessária, já que existem "outras maneiras de evitar ressaca".
"Há uma série de drinques de menor teor alcóolico, como cervejas. Todos bebemos beber com moderação para evitar ressacas", afirmou.






Bem Estar - Cientista britânico diz ter inventado 'álcool que não dá ressaca e nem lesiona fígado'

terça-feira, 2 de junho de 2015

Após 6 meses etanol tem o menor preço nas usinas do estado de SP - Portal de Paulínia

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

 Após 6 meses etanol hidratado tem o menor preço nas usinas do estado de SP

































Após 6 meses o preço médio do etanol hidratado praticado nas usinas
do estado de São Paulo teve a segunda semana consecutiva de queda e
atingiu na última sexta-feira (29) o menor valor nominal. O indicador
diário do etanol, posto Paulínia Esalq/BM&FBovespa, por sua vez,
teve média de 1.150 reais/m3 (sem impostos) na sexta-feira, pequena alta
de 0,3 por cento em relação à sexta anterior. O combustível é
comercializado nos postos da região com o preço médio de R$ 1,799 (em
alguns postos é possível encontra o combustível a R$ 1,699).

Entre
25 e 29 de maio, o Indicador Cepea/Esalq do hidratado foi de 1,2064
real/litro (sem impostos), recuo de 1,4 por cento em relação ao período
anterior, valor que só fica acima do 1,1853 real registrado no início de
novembro de 2014.

Segundo informou o Centro de Estudos Avançados
em Economia Aplicada (Cepea), da USP, na última semana, os preços do
etanol hidratado tiveram nova queda nas usinas paulistas, em decorrência
principalmente da maior oferta do produto. As vendas de etanol
hidratado têm sido fortes neste ano, com os consumidores aproveitando a
melhor competitividade do biocombustível frente à gasolina, pontuou o
Cepea

O preço do açúcar cristal também foi pressionado pelo
desenvolvimento da safra de cana, afirmou o Cepea, apontando recuo de 2%
na última semana.














Após 6 meses etanol tem o menor preço nas usinas do estado de SP - Portal de Paulínia

sábado, 17 de janeiro de 2015

Setor do etanol prevê fim da crise com alta da Cide - Cenário da Notícia em Lucas do Rio Verde e Região

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

A diretora-presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Elizabeth Farina, disse que a elevação da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre os combustíveis para um valor que corresponda a R$ 0,28 por litro de gasolina na bomba, junto com a recomposição das alíquotas do PIS e Cofins, que incidem sobre os combustíveis fósseis, para 9,25%, aumentará a remuneração do produtor de etanol dos atuais R$ 1,29 por litro para R$ 1,56. Se o governo adotar essas medidas, Farina acredita que o setor de etanol sairá da atual crise.

"Vai ajudar muito e mudará o cenário atual. Se for uma medida estruturante, ou seja, se passar a ser a realidade da formação de preços dos combustíveis, está se enxergando uma vantagem competitiva que havia sido perdida e que será recuperada", disse Elizabeth. Segundo ela, "essas decisões, se tomadas, terão impacto no mercado de açúcar e darão uma sinalização da importância estratégica do etanol". Para o Tesouro, as medidas também serão boas, pois significarão receita anual de R$ 14 bilhões, de acordo com técnicos da Unica.

Elizabeth teve um encontro ontem com a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, para tratar desse assunto e do aumento da mistura do etanol anidro à gasolina de 25% para 27,5%. O Valor falou com a presidente da Única no dia anterior. Está prevista uma reunião de todo o setor de etanol com o governo no dia 21, quando será anunciada a decisão de adotar o novo percentual da mistura.

Quando a Cide começou a ser cobrada sobre os combustíveis fósseis, em 2002, a alíquota correspondia a R$ 0,28 por litro de gasolina. Para manter o valor da época, teria que ser fixada agora em algo próximo de R$ 0,40 por litro, considerando a inflação do período.

Em 2012, o governo decidiu zerar as alíquotas do tributo com o objetivo de conceder um reajuste dos combustíveis à Petrobras, na refinaria, sem elevar o preço ao consumidor. Ao mesmo tempo, a estatal passou a comprar derivados para abastecer o mercado interno a preços mais altos do que os de venda, subsidiando a gasolina.

"O represamento do preço da gasolina teve impacto muito negativo nas contas da Petrobras e, para o setor de etanol, foi arrasador", lembrou Elizabeth. Agora, o preço internacional do petróleo está em baixa. O governo terá que decidir, em primeiro lugar, se vai permitir que os preços internos dos derivados reflitam as cotações mundiais.

Se o preço atual da gasolina for mantido e a alíquota da Cide for elevada para R$ 0,28 por litro, Elizabeth diz que haverá "um ganho bastante importante" para o produtor de etanol. Atualmente, o preço do litro do etanol para o produtor em São Paulo é de R$ 1,29. Com a Cide de R$ 0,28, passaria para R$ 1,46. "Restabelecer a Cide é uma forma de incluir na estrutura de preços um imposto que tornará relativamente mais caro o uso do combustível que polui", disse.

Ao longo dos anos, o peso do PIS e da Cofins nos combustíveis também foi sendo reduzido, pois esses tributos são fixados em valores monetários há muito tempo não corrigidos. Hoje, PIS e Cofins correspondem a 6,2% do preço da gasolina na bomba, quando deveria ser de 9,25%. "Se esses tributos voltarem a 9,25% e a Cide for fixada em R$ 0, 28 do litro da gasolina, o preço para o produtor do etanol passará para R$ 1,56", estima a presidente da Unica.


Fonte: Ribamar Oliveira, Valor Econômico





Setor do etanol prevê fim da crise com alta da Cide - Cenário da Notícia em Lucas do Rio Verde e Região

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

ANP confirma aumento da quantidade de álcool na gasolina

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

ANP confirma aumento da quantidade de álcool na gasolina:
Isabela Vieira

Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro- A diretora geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Magda Chambriard, disse hoje (17) que o percentual de etanol na gasolina passará de 20% para 25%, no final da safra de cana de açúcar, possivelmente no mês de abril. "A gente tem que confirmar a safra, mas estamos achando que sim", disse.
Ao chegar para evento da Transpetro, no Rio, a diretora confirmou para maio e novembro as rodadas de licitação da exploração de petróleo e gás, paradas à espera de definição das regras de distribuição de royalties.
"Estamos discutindo o passado, o futuro está pacificado", disse. Serão licitados 172 blocos. A expectativa é de muita procura, uma vez que as áreas aparecem entre as mais lucrativas.
A diretora da ANP informou que está previsto para este ano o primeiro leilão de gás xisto. "As reservas são relevantes, não podemos deixar paradas", afirmou. A Bacia do Parnaíba, no Nordeste, e de Parecis, em Mato Grosso, estão incluídas.
"Pegamos as áreas que poderiam ser produtoras, mas não temos certeza se são, ou não, temos que continuar investindo e fizemos uma associação: se a previsão for confirmada, é gás para chuchu, mais que o pré-sal", Magda Chambriard.
A Transpetro recebe hoje (16) o navio Rômulo Almeida, no Estaleiro Mauá, com capacidade para transportar 56 milhões de litros de derivados de petróleo. A embarcação presta homenagem ao especialista que contribuiu para criação de estatais no Brasil, durante o governo de Getulio Vargas.

Edição Beto Coura

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil. Para reproduzir as matérias é necessário apenas dar crédito à Agência Brasil.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

GLOBO RURAL - NOTÍCIAS - Falta de políticas públicas travam o mercado de combustíveis renováveis

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments


Estratégia do governo para salvar a Petrobras prejudicou o setor sucroenergético, que perdeu competitividade

por Viviane Taguchi, de Guarujá (SP)

A falta de políticas públicas voltadas especificamente para o setor de produção de etanol ainda é o maior problema enfrentado pelo setor, segundo o diretor da União das Indústrias da Cana-de-Açúcar (Unica)Eduardo Leão de Souza. O executivo falou na manhã desta sexta-feira, durante o 17º Clube da Cana, evento promovido pela multinacional americana FMC, no Hotel Sofitel Jequitimar, em Guarujá, litoral paulista. Segundo ele, a estratégia pública adotada pelo Governo Federal para “salvar” a Petrobras prejudicou imensamente o segmento e precisa ser revista com urgência. Em segundo lugar, o fator que inibe o desenvolvimento do setor é a falta de infraestrutura logística.
Souza diz que nos últimos 10 anos, estas políticas públicas foram capazes de desonerar a gasolina, reduzindo o custo de importação e permitindo a estabilidade nas bombas. “Há 10 anos, a incidência tributária sobre a gasolina era 22%, hoje é de 8%”, diz ele, alegando que ainda assim, esta estratégia não será suficiente para salvar a estatal do prejuízo nos próximos anos.
A estratégia permitiu que a estatal elevasse sua receita em 26%, mas ainda assim, este índice é insuficiente para solucionar o problema. “A estatal ainda está trabalhando com uma defasagem de R$ 0,40 a R$ 0,50 por litro de gasolina e em 2012, o Brasil importará seis bilhões de litros. Todo o setor de combustíveis precisa de uma intervenção imediata para que nos próximos anos nós não tenhamos uma crise de abastecimento bastante grave”, afirma. Se não houver esta intervenção, a dívida da empresa pode chegar a R$ 8 bilhões em 2020.

No setor de etanol, o problema é ainda maior. Ainda que o governo desonerasse o biocombustível, o produtor ainda trabalharia com uma margem de lucro pequena, muito arriscada devido à alta dos preços de custos. Sem os 12% de incidência tributária, o litro do etanol seria praticável por R$ 1,42 (contra R$ 1,48 atuais). “É ainda um grande risco para a indústria”, enfatiza. “No entanto, precisamos achar um caminho para dobrar a produção de etanol nos próximos oito anos”.
Hoje, a produção de etanol está estimada em 560 milhões de toneladas de cana. A meta, de acordo com o executivo, é chegar à safra 2015/2016 produzindo 886 milhões de toneladas, e em 2020/2021, 1,2 bilhão de toneladas de cana-de-açúcar.
Usinas em atividade 413 plantas 
Produtores de cana 70 mil 
Empregos 1,18 milhão de empregos diretos 
Receita R$ 50 bilhões 
Exportações R$ 16 bilhões 
Matriz energética 16% 
Redução de CO² 600 milhões de toneladas a menos na atmosfera 
(Fonte: Única)


GLOBO RURAL - NOTÍCIAS - Falta de políticas públicas travam o mercado de combustíveis renováveis

segunda-feira, 16 de julho de 2012

"Federalizar ICMS é única opção justa para exportadores" - Consultor Jurídico

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

"Federalizar ICMS é única opção justa para exportadores" - Consultor Jurídico:

Consultor Jurídico


"Federalizar ICMS é única opção justa para exportadores"
Consultor Jurídico
Isso exemplifica que a indústria mineral brasileira é fortemente voltada, em determinados segmentos, para o mercado interno. Mas as grandes mineradoras são voltadas para fora. Todo esse mercado enfrenta ... Ele passaria a ser arrecadado por toda a ...

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Produção de etanol e açúcar está garantida, diz a Unica - Jornal A Cidade

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

Produção de etanol e açúcar está garantida, diz a Unica - Jornal A Cidade:

Jornal A Cidade


Produção de etanol e açúcar está garantida, diz a Unica
Jornal A Cidade
Apontada em levantamento da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), a queda reflete o atraso no início da moagem em parte das usinas. Segundo o presidente interino da Unica, Antônio de Padua Rodrigues, a moagem menor até o momento não vai ...

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Sera uma tendencia? - Cai consumo de etanol - Diário do Nordeste

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

Cai consumo de etanol - Diário do Nordeste:

Cai consumo de etanol
Diário do Nordeste
O pior é que essa tendência de alta persiste, com vista aos próximos anos, não apenas pela maior lucratividade da exportação do açúcar como pela estiagem que cortou a produção de cana. O consumidor amarga sua decepção.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

O etanol em crise - Portogente

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

O etanol em crise - Portogente:


O etanol em crise
Portogente
Há quatro anos, a produção nacional de etanol de cana-de-açúcar era considerada um sucesso - que não saiu de graça, considerados os custos dos subsídios ao Proálcool, lançado na década de 1970. Contudo, os investimentos feitos pelo setor ...

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

IFSP abre processo seletivo para pós-graduação em álcool e açúcar - EPTV

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

IFSP abre processo seletivo para pós-graduação em álcool e açúcar - EPTV:

IFSP abre processo seletivo para pós-graduação em álcool e açúcar
EPTV
O Campus Matão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) está com inscrições abertas para 50 vagas para o curso de Pós-Graduação em nível de Especialização Lato Sensu em “Álcool e Açúcar: das matérias primas à produção ...

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Consumo de etanol será de 380 milhões de litros - Midia News

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

Consumo de etanol será de 380 milhões de litros - Midia News:

Midia News

Consumo de etanol será de 380 milhões de litros
Midia News
A produção de etanol totalizou 136 milhões de litros e mais 1,2 milhão de sacos (50 kg) de açúcar. “A falta de chuva prejudicou a produtividade e por isso a produção caiu”, diz ao complementar que o volume produzido no próximo ciclo vai depender da ...


terça-feira, 30 de agosto de 2011

Discussões sobre oferta de etanol começam após crise, diz Unica

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments


Até agora, conversas entre setor produtivo e governo foram sobre garantia de abastecimento de etanol para próxima entressafra

As discussões entre o setor produtor de etanol e o governo para o aumento de produção de combustível, por meio de novas destilarias, só começarão agora, seis meses após a crise de oferta e de preços do combustível.
Segundo o presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Marcos Jank, desde a disparada nos preços do etanol, entre fevereiro e março, no auge da entressafra da cana, as conversas entre o setor produtivo e o governo foram em torno da garantia de abastecimento de etanol para a próxima entressafra.
"O que se fez neste ano melhorou muito o sistema de abastecimento, principalmente do anidro", disse. "Agora vamos começar a falar sobre o crescimento", completou o executivo, que participa do Fórum Internacional sobre o Futuro do Etanol, em Sertãozinho (SP).
De acordo com Jank, o abastecimento de anidro, misturado em 25% à gasolina, será obtido com o aumento de produção local, a importação para suprir a demanda adicional, uma política estocagem e ainda a contratação deste tipo de etanol obrigatória a partir da próxima safra. "Teremos muito mais segurança na próxima entressafra", garantiu. Indagado sobre quais as sugestões que a Unica dará ao governo nas discussões sobre um programa de crescimento para o setor, Jank citou medidas tributárias, como a desoneração do ISS e do PIS/Cofins e a redução do ICMS.
"A grande questão é dar competitividade ao etanol hidratado, principalmente para viabilizar os novos investimentos previstos", explicou. "O setor tem de dar a contribuição, com a redução de custos de produção", completou.
Segundo estimativa da Unica, a capacidade de processamento do parque sucroalcooleiro, atualmente em 600 milhões de t de cana por safra no Centro-Sul, pode saltar para 750 milhões com a melhoria do tratamento das lavouras e saltar em mais 200 milhões de t, para 950 milhões de t, com a ampliação das unidades já existentes.
"Já o crescimento por meio de novas usinas, que devem agregar mais 400 milhões de t até 2020, depende dessas negociações com o governo", concluiu. Negociação O ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, coordenador de agronegócios da Fundação Getúlio Vargas Agro (FGV Agro), fez hoje duras críticas à falta de união do setor sucroalcooleiro e defendeu a coesão dos empresários para negociar com o governo uma política para o aumento de produção de etanol.
"O setor não se articula porque só tem cacique, não tem índio. E cada cacique quer falar sozinho com a presidente", disse Rodrigues, durante o fórum. "Eu já fui ministro e pedir uma coisa só para si é melhor para o governo, que não dá nada para ninguém; por isso é preciso articulação", disse Rodrigues.
O ex-ministro cobrou uma estratégia integrada nas negociações com o poder público no momento considerado histórico por ele, diante da demanda mundial por energia renovável e ainda alimentos.
"O mundo espera, pela primeira vez na história, o socorro do Brasil e nós aqui na estação esperando o trem e jogando truco", brincou. "Vamos ter o mínimo de humildade, companheirismo e fazer essa estratégia", completou.
Por fim, o ex-ministro utilizou o projeto "Sou Agro", criado recentemente com o intuito de difundir o agronegócio para a população urbana, para exemplificar a falta de união do agronegócio.
Segundo ele, a adesão ao projeto ainda é pequena e basicamente restrita aos setores primários da agropecuária. "Agricultor e pecuarista tiraram dinheiro do bolso; frigorífico, indústria de tecidos, indústria de máquinas agrícolas e bancos não colocaram dinheiro no negócio", concluiu.

Agencia Estado

Mistura de etanol à gasolina cairá para 20% em outubro

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments


Segundo o ministro de Minas e Energia, Edson Lobão, o governo toma medidas de precaução ante o risco de faltar etanol no país

O governo vai reduzir de 25% para 20% a proporção da mistura de etanol anidro na gasolina a partir de 1º de outubro. A informação foi dada no início da noite desta segunda-feira pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, depois de uma reunião com a presidente Dilma Rousseff. "Nós temos que garantir o abastecimento olhando para este ano e olhando para o próximo ano também, porque verificamos que a safra do próximo ano não será muito melhor do que a atual. Então temos que tomar providência desde logo", justificou Lobão.
O novo porcentual da mistura de etanol na gasolina valerá por tempo indeterminado, segundo o ministro. "Depois calibraremos, verificando a resolução, no momento em que acharmos que há segurança para suspendermos", afirmou.
Preço e qualidade – De acordo com a analista de agronegócio da Tendências Consultoria, Amarillys Romano, a redução da quantidade de etanol na gasolina ajuda a reduzir as pressões sobre o preço do álcool. "Não há cana suficiente para o nível de demanda que há hoje", explica. Os preços dificilmente cairão, mas, ao menos, a medida reduz o risco de novas elevações. Com relação à qualidade da gasolina, a analista acredita que não haverá mudanças significativas.
A economista avalia como positiva a decisão do governo, haja vista que, além de a safra atual ter sido decepcionante, existe o risco de a próxima não ser muito melhor – ponto que foi reconhecido pelo próprio ministro. Para Amaryllis, a medida deverá ser mantida por muitos meses à frente justamente porque não o mercado não será capaz de ofertar uma quantidade muito maior do biocombustível para se adequar à demanda.
Além dessa medida de segurança contra desabastecimento do mercado e de preços altos, Lobão ressaltou que medidas complementares já anunciadas, como o financiamento da estocagem, também serão adotadas. Segundo o ministro, os parâmetros das linhas de financiamento com "favorecimento" estão em fase e considerações finais do ministro da Fazenda, Guido Mantega. A previsão, segundo Lobão, é que as medidas serão anunciadas nos próximos dias. Também participaram da reunião o próprio Mantega; o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro; e a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann.
Histórico – Em julho, o governo já havia decidido reduzir quantidade de etanol na gasolina. Logo em seguida, desistiu. É comum que o governo modifique a mistura de etanol na gasolina, mas normalmente isso acontece na entressafra, entre janeiro e março, quando o preço costuma subir em decorrência na queda da produção. A decisão de reduzir a mistura em outubro é, portanto, excepcional por acontecer no meio da safra.
(com Agência Estado)

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Brasil será importador de etanol e de gasolina por 4 anos

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

principalmente dos preços inalterados da gasolina, disse nesta segunda-feira, 8, o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires, durante painel sobre energia do 10º Congresso Brasileiro de Agronegócio, que está sendo realizado em São Paulo.

Além de fazer do Brasil um importador de gasolina e etanol ao invés de exportador, o preço fixo da gasolina com finalidade de conter a inflação também está provocando perdas expressivas na Petrobrás, diz Pires. "Para cada litro de gasolina que a Petrobrás importa, ela perde R$ 0,30. No primeiro semestre, as perdas já somam R$ 4 bilhões", disse.

De acordo com Pires, o preço fixo da gasolina em R$ 1,05 por litro na refinaria desde 2009 impede a concorrência com o etanol. "Em 2010, enquanto o PIB cresceu 7%, o consumo de gasolina no Brasil aumentou 19%", disse Pires. O executivo ressalta também que apenas no primeiro semestre de 2011, enquanto o PIB aumentou 4% as vendas de gasolina já cresceram 10%. "Este crescimento absurdo do preço da gasolina está sendo provocado por uma manutenção artificial do preço", disse.

Do lado do produtor de etanol, Pires ressalta que o preço fixo da gasolina está atuando como um impedimento para o aumento da área plantada com cana-de-açúcar. "O custo do setor sucroalcooleiro cresceu 38% em cinco anos e, se este preço for repassado para o preço do hidratado, ele perde competitividade em relação à gasolina", disse.

O professor da Universidade de São Paulo José Goldemberg disse que a manutenção do preço da gasolina congelado é irracional. Segundo ele, existe o exemplo recente da Argentina com o gás natural, cuja fixação do preço levou à queda na oferta. Goldemberg afirmou também que o governo precisa definir com mais clareza o que pretende como política para os biocombustíveis.

http://www.bonde.com.br/?id_bonde=1-39--110-20110808&tit=brasil+sera+importador+de+etanol+e+de+gasolina+por+4+anos

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Novos produtos - NOTÍCIAS - Caramujos africanos podem virar etanol de segunda geração

BY Agro Mecânica Tatuí IN 2 comments

Cientistas brasileiros detectaram enzimas capazes de produzir açúcar na praga que devasta lavouras

por Viviane Taguchi 
 
Em Feira de Santana, na Bahia, eles se transformaram no pesadelo dos produtores rurais. No Oeste de São Paulo, viraram peste de lavoura e até de ruas, e em Minas Gerais, tornaram-se pragas da pior espécie para diversas culturas. Os caramujos africanos invadiram quase todas as áreas agrícolas brasileiras, em todas as regiões, e transformaram-se em uma verdadeira enxaqueca para o agronegócio. Antes de ser um mal para a saúde pública, estes molucos possuem grande poder de provocar desequilíbrio ecológico.
Mas agora, pesquisadores concluíram que esta praga rastejante pode ser benéfica e ter grande utilidade como coadjuvante na produção de etanol de segunda geração, como é chamado o álcool obtido a partir de celulose.

Os estudos com o caramujo africano foram concluídos recentemente pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e apontam que o aparelho digestivo do bicho, que é um devorador voraz de plantas (este é exatamente o estrago que ele faz nas lavouras e consequentemente, para o meio ambiente), tem enzimas, bactérias e fungos capazes de quebrar moléculas de celulose, resultando na produção de açúcares. Segundo os pesquisadores, várias outras pragas devoradoras de vegetais foram estudadas, mas só o caramujo africano apresentou esta capacidade.

O processo de transformação de plantas em açúcares dentro do organismo do caramujo seria semelhante ao processo realizado na usina. Depois de ingerir o alimento, as bactérias e os fungos que vivem no seu intestino agem conjuntamente com as enzimas e transformam a celulose, rica em lignina, em açúcares. O trato digestivo destes animais (biomassa de molusco) seria comparado ao bagaço que sobra nas usinas, mas com qualidade superior ao fungo trichoderma reesei (organismo atualmente utilizado para fermentar a celulose do bagaço no processo convencional). De acordo com o Inmetro, a biomassa do caramujo poderia passar pelo processo convencional de fermentação para ser transformada em etanol de segunda geração.

Mas as pesquisas e o uso comercial dos caramujos ainda podem estar longe de serem efetivados. De acordo com o pesquisador Wanderley de Souza, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ainda seria necessário encontrar um meio de isolar estes fungos, bactérias e enzimas e fazê-los crescer fora do organismo do caramujo. Segundo Souza, se esta alternativa for logo encontrada e tornar-se economicamente viável, seria possível dobrar a quantidade de etanol de segunda geração produzida no Brasil em um prazo de dois anos, com a mesma área plantada.

Por ser um processo moroso, as usinas queimam o bagaço que sobra da moagem da cana para gerar bioeletricidade e alimentar as instalações internas e exportar o excedente para as redes públicas, através de leilões.
A fabricação do etanol de segunda geração ainda é um gargalo para o setor, já que transformar o bagaço em monossacarídeo é difícil e exige grandes quantidades de tratamentos enzimáticos e ácidos. "A lignina presente nas paredes celulósicas da biomassa são quebradas com dificuldade, o que não aconteceu no intestino do caramujo", explica Souza.

Agora, o Inmetro vai testar e dar continuidade aos testes no Centro de Pesquisas Leopoldo Américo Migues de Mello, o Cenpes, órgão da Petrobras. Isso inclui gerar um fungo modificado geneticamente para acelerar o crescimento das enzimas do intestino dos caramujos fora do organismo deles.
 
http://revistagloborural.globo.com/Revista/Common/0,,EMI247005-18080,00-CARAMUJOS+AFRICANOS+PODEM+VIRAR+ETANOL+DE+SEGUNDA+GERACAO.html
 

terça-feira, 5 de julho de 2011

Hidratado tem leve queda, anidro segue em alta

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

Na semana passada, o número de negócios envolvendo etanol no estado de São Paulo foi significativo, de acordo com informações do Cepea. Isso ocorreu em função da necessidade de distribuidoras de repor estoques. Para o anidro, os preços subiram mesmo com o aumento da oferta, segundo levantamentos do Cepea. Entre 27 de junho e 1º de julho, o Indicador CEPEA/ESALQ do anidro (estado de SP) subiu 2,42%, indo para R$ 1,3037/litro (sem impostos, a retirar na usina). No caso do etanol hidratado, tanto a oferta quando a demanda tiveram aumento na última semana, havendo ligeiro predomínio da oferta das usinas em função do período de final de mês. O Indicador CEPEA/ESALQ do hidratado (estado de SP) fechou a R$ 1,1470/litro (sem impostos, a retirar na usina) na última semana de junho, ligeira queda de 0,16% sobre a anterior.  
(Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br )

Safra menor de cana vai elevar preço do álcool

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

DCI - Diário do Comércio & Indústria - 2011-07-04

A safra de cana-de-açúcar deve ficar novamente menor este ano, dado três fatores principais: os problemas climáticos, que compactaram o solo, trouxeram pragas e doenças ao canavial e afetaram a rentabilidade da cana. A falta de renovação de área, e o canavial envelhecido, que afetam diretamente a produtividade da planta. Segundo levantamento realizado pela consultoria Datagro, a produção deve ficar em 600 milhões de toneladas, que representa queda de 3,3% ante a safra anterior.
Devido a problemas enfrentados nas três ultimas safras de cana-de-açúcar no País, tanto de ordem climática, quanto de pragas e falta de renovação e expansão dos canaviais, a produção sucroalcooleira será menor. Segundo Guilherme Nastari, analista da Datagro tudo isso ajudou a elevar os preços do açúcar por conta da maior demanda internacional, e do etanol que possui crescente demanda no mercado interno brasileiro, dada a maior venda de carros flex. "Os preços mais baixos em 2011, são mais altos que os preços mais baixos de 2010, e isso reflete uma maior capacidade da industria e dos produtores se capitalizarem, até para que os investimentos no setor possam retornar", afirmou ele.
Com isso, a expectativa é que o Brasil deverá importar mais etanol durante esta safra para minimizar a complicada relação oferta e demanda no mercado interno. Dentro deste cenário a consultoria trabalha com a chance de compras externas de aproximadamente 770 milhões de litros de etanol contra os 455 estimados para o período anterior.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Maior demanda eleva Indicadores

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments


"Os preços dos etanóis anidro e hidratado voltaram a subir no mercado paulista, de acordo com levantamentos do Cepea. O suporte veio principalmente da demanda aquecida tanto pelo hidratado quanto pelo anidro na última semana. Distribuidoras adiaram as compras em semanas anteriores, quando os preços estavam em queda. Ao voltarem ao mercado, no entanto, impulsionaram as cotações, segundo pesquisadores do Cepea. Do lado vendedor, algumas usinas aumentaram o volume ofertado, mas a preços reajustados, que acabaram sendo pagos pelas distribuidoras. Entre 6 e 10 de junho, o Indicador CEPEA/ESALQ do hidratado (estado de SP) teve alta de 7,15% sobre a semana anterior, com média de R$ 1,0844/litro (sem impostos, a retirar na usina). O Indicador do anidro aumentou 1,14% no mesmo período, indo para R$ 1,1518/litro (sem impostos, a retirar na usina).
(Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br )"

terça-feira, 26 de abril de 2011

Fecombustíveis garante que Brasil não corre risco de desabastecimento

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

Agência Brasil
Publicação: 25/04/2011 14:50 Atualização:

A possibilidade de que o Brasil sofra com a falta de combustíveis por causa de uma oferta menor de álcool anidro no mercado foi descartada hoje (25/4) pelo presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), Paulo Miranda Soares. Ele explica que 80% das usinas de álcool já estão produzindo e que a tendência agora é de aumento da oferta de álcool anidro, que é responsável por 25% da composição da gasolina vendida nos postos.

“A situação está tranquila em todos estados. Há estoque suficiente do produto para o mercado brasileiro nas usinas de maior porte. Com isso não existe o risco de desabastecimento. Até porque a produção de álcool já foi iniciada em 80% das usinas do país”, disse Miranda à Agência Brasil. “O período mais crítico, por causa da entressafra, é a primeira quinzena de abril. Ele já passou e a tendência é que a situação melhore daqui por diante.”

Miranda admite que houve “gargalos logísticos” na distribuição do anidro. “O estoque é suficiente. Só que ele está concentrado nas grandes usinas. Houve uma certa dificuldade operacional porque lá se formaram filas de caminhões para distribuírem o produto. Como a procura aumentou, o preço acabou subindo proporcionalmente”, informou o presidente da Fecombustíveis.

Em junho do ano passado, o litro de alcool anidro era vendido a R$ 0,87. “Agora cobram até R$ 3 por litro”, explica Miranda. “Para reverter esse quadro, a Petrobras chegou até a importar anidro de milho dos Estados Unidos. Mas isso teve apenas caráter preventivo, para a formação de um estoque de segurança”, disse.

“Alguns postos de bandeira branca [não vinculados às grandes empresas do setor] do interior de São Paulo tiveram mais dificuldades para obter o combustível. Mas isso foi algo isolado, já que 70% do mercado de gasolina estão nas mãos da Petrobras, do Ipiranga, da Shell e da Ale”, argumenta Miranda.

ETANOL/CEPEA: Ratificação de valores da semana de 18 a 20/abril

BY Agro Mecânica Tatuí IN No comments

Piracicaba, 25/04 12h00 - Na última semana, a apresentação dos Indicadores semanais CEPEA/ESALQ dos etanóis no site do Cepea teve uma alteração involuntária na quinta-feira, 21, já corrigida. Isso decorreu de alterações recentes no processo de atualização do site da instituição. Reiteramos os Indicadores semanais CEPEA/ESALQ para o estado de São Paulo na semana de 18 a 20 de abril de 2011. São eles: anidro combustível: R$ 2,7257/litro (em dólar US$ 1,7265), alta de 10,23 % sobre a média ponderada da semana anterior (11 a 15/abril); hidratado combustível: R$ 1,4569/litro (em dólar US$ 0,9228), alta de 5,24% no mesmo comparativo; Hidratado Outros Fins: R$ 1,4616/litro (em dólar, US$ 0,925), alta de 5,09% - todos os valores estão sem impostos e sem frete. Antes mesmo da atualização do site do Cepea, prevista para as 18h45, os Indicadores semanais do etanol (divulgados no último dia útil de cada semana) são oficialmente publicados no twitter do Cepea, canal que pode ser considerado como primeira fonte pública destas informações. O endereço é: http://twitter.com/#!/CepeaEsalq